Adilson Vilaça

Adilson Vilaça de Freitas é mineiro de Conselheiro Pena, MG, onde nasceu em 1956. Ainda criança, sua família mudou-se para o município de Ecoporanga, no norte do Espírito Santo, onde Adilson Vilaça passou o resto da infância e boa parte da juventude. É, além de escritor, jornalista e professor. Atualmente, reside em Vitória.

Sua atividade de escritor tomou impulso quando recebeu, no início da década de oitenta, o primeiro lugar no Concurso Literário Permanente do Espírito Santo na categoria conto. Um dos integrantes do júri, o escritor João Antônio, impressionado com o talento do autor, incentivou-o a adentrar o caminho da ficção.

Em 1983 Adilson Vilaça recebeu o Prêmio Geraldo Costa Alves por A possível fuga de Ana dos Arcos, publicado em 1984. Outros livros: Espiridião e outras criaturas, Purpurina e outras desfolias, contos, 1992 e Trapos, novela, 1992; Albergue dos querubins, romance, 1996; Sob as dunas, romance, 1996, A derradeira folia, contos, 1996 e A mulher que falava pássaros, novela, 1996; O lugar das conchas, romance, 1997; Cotaxé, romance, 1999 e A ceia dos querubins, romance, de 2000. Além disso, publicou um folhetim eletrônico e escreveu o roteiro para o filme Cotaxé. Detém o Prêmio Almeida Cousin, do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, pelo conjunto de sua obra. 

 

Afinidades

A possível fuga de Ana dos Arcos (livro integral)

Escritor e livro: Identidade para os gatos pardos (vídeo)

Escritores Pedro J. Nunes e Adilson Vilaça
visitam escola em Santa Maria de Jetibá (vídeo)

 

Índice de perfis e entrevistas

Voltar